DESTINOSLIFESTYLE

7 Coisas que Aprendi ao Namorar uma Mulher Mais Nova

13 meses de relação. Sabor forte a domingo. Aprendi que é natural ter vontade de desaparecer e útil falar menos, legítimo adormecer com questões pendentes e viajar com os olhos fechados. Apreendi que penso demais. E noto enfim o silêncio dourado mencionado pelos sábios. Aprendi que com ela todos os dias são domingo e que quando começamos a conversar temos todo o tempo do mundo mas quando terminamos só nos restam 4 horas para dormir.

O QUE APRENDI DESDE O DIA 1

 

  1. Descobri o valor das coisas muito velhas e que isso é assaz diferente de ser um geek da História.
  2. Aprendi sobre a importância do sol nas manhãs e ainda fico abazurdido quando são duas da tarde, termino o café pós-almoço e me dou conta de tudo o que já fiz nesse dia.
  3. Confirmei que não passo dum homem analógico num tempo virtual. E aprendi a ligar-me ao mundo através dela e só depois por via de cabos usb e wireless.
  4. Sei agora de bandas, mais antigas do que recentes, e da beleza de me perder em esquinas e vielas. Sentei-me em sítios novos e julguei muito menos, ainda assim mais do que devo.
  5. Aprendi a fumar menos, ainda assim muito mais do que devo. A relativizar com regularidade, a regular a relativização.
  6. Aprendi a sonhar, mesmo que me esqueça mal abra os olhos. E por falar em ruínas de memórias, aprendi muito mais mas agora esqueço-me. Tenho uma atenuante, contudo. Este primeiro ano e pouco de relacionamento pareceram quatro. Brincamos com isso. Parece mal, à partida. Não soa bem, de facto. Mas a nossa intensidade devia ser medida em anos de Indie e de Haruki, os outros membros da família.
  7. Aprendi que é possível uma pessoa muito mais nova ter referências antigas e tanto para ensinar à mais velha.

Será esse o segredo? Não faço ideia. Ainda vou aprender. Talvez nos próximos 4 anos 🙂

 

próximo destino: Significado de “Luís”

A impossibilidade do amor em 1000 caracteres

correr, desporto
Post anterior

Um exorcismo chamado running!

Post seguinte

Um testemunho sobre o luto.

Luis Borges

Luis Borges

3 Comments

  1. maria
    22 Novembro, 2016 at 20:20 — Responder

    Parabens, muito bom mesmo!

  2. Maria Fernandes
    23 Novembro, 2016 at 1:02 — Responder

    Adoro!! E gosto ainda mais de “seguir” estes 13 meses, quase, desde o primeiro domingo!! Beijos para os dois!! 😘😘

  3. Pedro
    23 Novembro, 2016 at 7:51 — Responder

    Muito bom! Aprendemos sempre com que nos.rodeiam, principalmente com o nosso par, próximo desafio é escreverem sobre o que aprenderam juntos!

    Quanto aos 13 meses que parecem 4 anos, se o vosso caso for igual ao nosso , quando chegarem aos 5 anos , em muitas alturas vai parecer que ainda nem chegaram ao primeiro 🙂

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *