Sem categoria

Contra o Cinismo, Marchar Marchar

HISTÓRIA BREVE DA DAR

Precisei de completar 40 anos de vida para aprender a ter lata. Foi imbuído dela, e confortado por saber que o seu conteúdo não podia ser mais meritório, que tomei a iniciativa de propor este texto. Literalmente assim: posso enviar-vos uma crónica sobre a minha ONG?

Tecnicamente é apenas uma trigésima parte deste escriba e, errata dupla, ainda conclui a burocracia necessária para ser considerada Organização Não Governamental. Porém, nos seus meros 4 meses de vida, já mais do que gatinha – inclusive faz perguntas: o que faria com 21 euros?

Somente hoje, e escrevo ao fim da tarde, deparei-me com os seguintes itens por esse valor aproximado: t-shirts diversas, uma dose de arroz de marisco num tasco da Baixa alfacinha, um livro de Rodrigues dos Santos, uma caneca do Starbucks (!). A resposta da DAR é outra: em Moçambique, 21 euros suportam a propina escolar mensal duma criança, bem como a sua alimentação e cuidados de saúde.

N’Diene e o que virá depois

A menina da foto chama-se N’Diene e a imagem que protagoniza venceu a última edição dos Sony Awards. O fotógrafo, Luís Godinho, despedia-se da aldeia senegalesa onde esteve como voluntário. E as crianças perseguiam a carrinha dos ocidentais para o último adeus. Godinho, 34 anos, açoriano, talvez o fotógrafo português mais premiado da sua geração, regressou a Angra do Heroísmo com excesso de revolta na bagagem. Feita das condições com que se depara, amiúde, nas viagens por Índias, Áfricas e Américas Latinas. Decidiu agir.

Num tempo recorde agremiou 30 pessoas apostadas em mudar um pouquinho do mundo a partir duma ilha em pleno Atlântico. Criou-se a associação sem fins lucrativos DAR – Dreams Are Real. O objectivo do primeiro ano? Suportar a escolaridade obrigatória (da 1ª classe ao 7º ano, inclusive) a 10 crianças de Nampula, Moçambique. 5 meninas e 5 meninos que serão identificadas pelo nosso parceiro no terreno, a Helpo, ONG estabelecida. Os 21 euros por mês transformam-se em 11 mil para toda a empreitada. 11 mil euros para garantir a oportunidade duma educação completa a crianças desfavorecidas, habitantes de locais afectados por migrações, trabalho infantil, doença, gravidez juvenil.

E sim, ouço já o eco dos habituais Velhos do Restelo: por que não começar por ajudar os de cá? Umas palavrinhas apenas: 21 euros por mês. Tire o leitor as suas ilações.

DAR, Dreams Are Real, Luís Godinho, Luís Filipe Borges

E depois do cheque?

Somos – na DAR – médicos, actores, escribas, assistentes sociais, engenheiros, professores, psicólogos e, claro, é da fotografia a nossa alma fundadora. Uma vez por ano queremos reunir um micro-núcleo de membros e visitar quem apoiamos para intervir junto das suas comunidades. Workshops, acções formativas, motivar pela arte, inspirar pela educação, aprender com eles e eles connosco. Todos conhecemos os recantos esquecidos e mal-afamados do mundo pela perspectiva de fotógrafos célebres. Agora imaginemos como seria munir de câmaras as crianças que lá sobrevivem e ensinar-lhes como transmitir o seu ponto de vista?

Nestes 4 meses de existência a Dreams Are Real nasceu, foi uma das 8 finalistas nacionais do concurso de empreendedorismo social “Ideas From Europe”, convidada a apresentar-se no Hub Criativo do Beato, realizou o seu primeiro evento de angariação de fundos num esgotado Centro Cultural de Angra do Heroísmo, e estabeleceu parcerias com empresas dispostas a apadrinhar directamente algumas das crianças de Nampula. Estamos a 3000 euros, sensivelmente, de atingir o objectivo do nosso primeiro ano de existência. E a sonhar com o próximo. Sabia que construir uma escola na Guiné-Bissau – levantar tecto e 4 paredes, muni-la de mesas, cadeiras, quadro e material pedagógico – custa 5000 euros?

Tenho o maior orgulho em fazer parte deste grupo de pessoas, em ter um amigo com o talento e coração do Luís Godinho e, finalmente, sinto uma alegria dir-se-ia juvenil em partilhar uma página de Facebook a terminar este texto. É que as redes sociais são hoje essencialmente habitat de quezílias e histeria. Aqui não. Aqui o leitor que assim desejar encontrará a opção de contribuir com o seu donativo ou mesmo – quem sabe? – escrever-nos, e aumentar este bouquet de almas a germinar na Atlântida para dar frutos nos sítios do globo que deles mais necessitam.

https://www.facebook.com/DARdreamsarereal

Luís

(texto publicado no JN)

FOLIO, Óbidos, Biblioteca de Angra do Heroismo, Luís Godinho, Luís Filipe Borges
Post anterior

Apanhei FOLIO

DOTE, Shameless Date, NiT, Luísa Castel-Branco
Post seguinte

Tudo o que eu te DOTE

Luis Borges

Luis Borges

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *