DESTINOSLIFESTYLE

gps para o futuro

a páginas tantas

 

Ao acabar o enésimo livro de poesia, “The good neighbour” – de John Burnside (este uma prenda de anos), dou-me conta – ao pô-lo na estante dos seus companheiros de género – de um hábito antigo. As páginas que deixo dobradas no interior destes livros, pequenas feridas em volumes novos, resultado dos poemas que mais me marcaram (por uma ou outra razão). Penso que não há livro entre todos aqueles que não tenha marcas semelhantes e constato que jamais reabri algum. Porquê?
Talvez porque os anos passam e dizem que, daqui a muito tempo, hei-de de perder a memória e até centímetros de altura ao chegar a velhice.

Nesse tempo precisarei de regras novas para a minha vida ou, pelo menos, de me inspirar outra vez. Será altura de retirar os livros de poesia da casa que habitam e, ao reparar-lhes as feridas infligidas ao longo dos anos, quem sabe recordar a feliz razão que levou aquelas páginas a serem dobradas da vez original (e rejuvenescer)?

Luís

Post anterior

breves do futuro

mistério, ilha Terceira, Serra do Cume, Azores
Post seguinte

o mistério das 5 Ribeiras

Luis Borges

Luis Borges

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *