FOOD, FIT, FUNLIFESTYLE

Hate is good

O ódio como motor para o exercício

(Hate soa melhor que Ódio, não soa?)

Desde que a minha aventura no exercício físico começou perdi 23,5 kgs. Baixei 3 números de calças. Passei o vestir o M (ó júbilo, ó glória). Reduzi drasticamente a massa gorda e aumentei na mesma medida a muscular. Mantenho apenas uma profunda desilusão para com os meus pés, que insistem em calçar o 41.

Obviamente ver resultados, constatar as conquistas, motiva. Mas, e há sempre um mas, todos temos dias maus, noites mal dormidas, momentos de desânimo psicológico e/ou físico. Nessas alturas, treinar pode tornar-se especialmente duro.

Por isso, e parafraseando o célebre discurso de Gordon Gekko (interpretado por Michael Douglas) em “Wall Street”:

Hate is good.

(sim, estou consciente de que ele dizia “Greed is good”, mas não me lixem o rascunho)

E perguntai vós: mas por que, querido mestre, dizeis que o ódio é bom?!

(nota: não precisam de dizer ‘mestre’, naturalmente. Podem substituir por Sensei)

Porque motiva cumó catano! Assim mesmo, com ponto de exclamação sonante e vigoroso, qual fim de crónica do Dr. Eduardo Barroso n’A Bola. Ele acrescenta mais um par deles, verdade, mas os meus olhos têm limites e não querem sangrar.

Motiva, sim senhora. Se tenho 5 repetições de kettle bell para fazer, basta-me pensar na pessoa mais incompetente com que alguma vez trabalhei. Se o PT me obriga a qualquer coisa na casa dos 50 aos 100 burpees, penso no ser mais pérfido que já conheci – e logo uma injecção de adrenalina agita-me músculos e nervos como se me encontrasse entre um urso e uma parede. Se o desafio são elevações, penso nos dois ao mesmo tempo e é remédio santo. Também é fácil, são a mesma pessoa.

Alguns de vós poderão estar chocados e a adiar momentaneamente a publicação da enésima citação motivacional no vosso insta. Chill. E pensem assim: nos casos de aperto, o que é melhor ? Ódio ou esteróides? 😉

próximo treino: A importância de se chamar Joni.

shots, one-liners, NYC, New York, rooftop, Sex & the city
Post anterior

Noite de copos?

Post seguinte

7 Coisas que aprendi ao namorar um homem mais velho

Luis Borges

Luis Borges

1 Comment

  1. Pedro
    7 Novembro, 2016 at 14:37 — Responder

    Então experimenta meter Heavy Metal nos fones e treinar… até levantas os halteres com os olhos …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *