ADVOGADO DO DIABODESTINOS

HUMOR PARA DAR

Pai, Mãe, fundei uma ONG!

 

Talvez seja sentimento de culpa. Talvez seja. A noção do privilégio fortuito de ter nascido num semi-paraíso. Ser ocidental, europeu, açoriano. Do hemisfério rico, do tempo agradável, da sociedade de consumo.

Talvez seja outra coisa: punctum. O epicentro duma imagem marcante. A capacidade de ver algo abstracto para todos os outros, se calhar mesmo invisível.

Luís Godinho, a alma deste projecto, é um jovem fotógrafo português multi-premiado que não conseguiu adiar mais o coração. Um engenheiro do ambiente que canaliza todas as horas possíveis para a sua paixão maior. E, nas viagens pelo mundo, este habitante do que resta da Atlântida decidiu agir. E como o caminhando com que se faz o caminho é melhor executado na companhia de outros corações a bater, fez soar uma trombeta. De ilhas diversas, amigos próximos e amigos de amigos juntaram-se. Somos agora 27, e chamamo-nos DAR. Dreams Are Real.

Qual o punctum? Poder fazer algo pelas crianças longe, desafortunadamente tão distantes do mundo brevemente descrito no primeiro parágrafo. Usar a arte para educar, educar pela arte.

Queremos começar devagar: ser responsáveis pela educação de 10 crianças moçambicanas. A Helpo, ONG no terreno, será o nosso braço-direito nesta empreitada nascida no coração do atlântico. Serão eles a identificar as crianças mais potencialmente aptas a fintar as características do destino que lhes calhou: trabalho infantil, migração, gravidez precoce. Sabem quanto custa um mês de escolaridade neste país africano? Apenas 21 euros.

O que nos propomos fazer na DAR?

Uma iniciativa em duas fases: primeiro, desenvolver um par de eventos de âmbito artístico anuais cujas receitas possamos canalizar directamente para África. Espectáculos, conferências, workshops, exposições, etc.

Segundo, ir a Moçambique. Conhecer os miúdos. Levar formação. Neste grupo de 27 há fotógrafos, médicos, professores, comunicadores, empreendedores, que exigem a si próprios não ficar apenas pelo amealhar do necessário financiamento. É impensável irmos todos juntos mas talvez, a cada ano que passe, possamos ir em grupos de 3 ou 4.

A arte pode influenciar positivamente as idiossincracias culturais. Educar pela arte pode inspirar, mudar mentalidades, cativar – como na rosa do “Príncipezinho”, mudar o mundo uma cabeça de cada vez, plantar sementes de futuro.

Dia 4 de Novembro anunciamo-nos ao mundo que quiser aliar-se à causa com o primeiro evento: eu e o meu irmão António Raminhos actuaremos sem cachet no belíssimo Centro Cultural de Angra do Heroísmo. Quem estiver longe mas tiver vontade de contribuir, pode ajudar na mesma. Fazendo um donativo aqui.

Humor para DAR. Dreams Are Real. Que a Força esteja connosco.

Luís

FLO, Ovar, Paulo Moura, Luís Filipe Borges
Post anterior

Tantas vezes são poucos

CARDO
Post seguinte

Shameless Date: Venham daí essas bochechas (de porco)

Luis Borges

Luis Borges

1 Comment

  1. 22 Outubro, 2017 at 12:37 — Responder

    Nobres causas com um apoio bem humorado

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *