ADVOGADO DO DIABO

Manifesto Anti-Ingratos

Pequeno desabafo hiperbólico inspirado em Almada Negreiros para recordar todos aqueles que se esqueceram do óbvio: “Só nós sentimos assim” (Mário Wilson).

 

O adepto que assobia o Pizzi cheira mal da boca. Tem pé-de-atleta, mente compulsivamente e já roubou na missa.

Os autores das vaias a Rui Vitória eram bullies na escola e são infelizes no trabalho, traídos pelas esposas e devem em pelo menos três cartões de crédito.

Quem acha que Eliseu não dá tudo chumbou 5 vezes no exame de Português, corta as filas de trânsito à última e sob traços contínuos, aldraba nos impostos e já se abarbatou à carteira que uma velhinha deixou esquecida na mesa do café.

Aquele que insulta Luisão não é digno do oxigénio que desperdiça neste mundo. Acha a Maria Leal sexy e alinharia numa suruba com a presença participativa do marchand Castelo-Branco.

Os que vociferam nas redes sociais e juram que sempre tiveram razão sofrem de transtorno bipolar. Pisaram os pés da moça na única vez que dançaram um slow. Vêem no PNR uma alternativa credível e acreditam piamente que a Terra é plana.

Os treinadores de bancada armados aos cucos mandam vir pastilhas azuis no mercado negro, calçam ténis Ardidas,têm os veículos apreendidos vai para 10 meses em parques da PSP e acham que Tony Carreira está a ser injustiçado e que Sócrates é inocente.

Adeptos de lenço branco têm o tecido cheio de ranhoca; os que saem do estádio antes do apito final padecem de ejaculação precoce; os que insultam outros membros da família benfiquista nunca tiveram uma festa de aniversário, não são visitas em casa de ninguém, ressonam no emprego, apresentam furúnculos nos ouvidos guedelhudos, papam tudo o que é reality-show, ligam para fóruns de opinião pública a insultar o “senhor que acabou de falar”, têm mau vinho, nunca abriram a porta a uma donzela e param o carro na berma da estrada para cruzar os braços e ficar a ver os incêndios.

Maneiras que:

A multidão que atira cadeiras, grita impropérios e esquece tudo o que foi feito por esta direcção merece mudar de clube, de desporto, de país, de continente, de planeta, de satélite, de cometa, são maus vizinhos, atiram beatas para os quintais dos outros, abandonam os animais de estimação quando chega altura das férias.

Os que peroram na caixinha mágica com ares de superioridade como se fossem os únicos seres humanos incapazes de defecar não merecem sequer o esforço dum insulto criativo.

Ganhámos nos últimos 4 anos, PIM. Vencemos 12 dos últimos 16 troféus em disputa no território nacional, PUM. Morra o adepto ingrato, morra! Temos memória, BANG. Não cuspimos no prato onde comemos, KAPOW. Benfica sempre e OBRIGADO, tetra-campeões.

Luís

(texto publicado na revista Mística)

Post anterior

Pedro: O Inkonografista que nos faz crer na humanidade

Post seguinte

novo ano, nova alimentação

Luis Borges

Luis Borges

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *