DESTINOSSem categoria

Welcome a Borges foi até São Tomé

Chinelo no pé, sonhos na mão

São Tomé. O destino que procurámos para descansar nesta meia estação. Como a maior parte das pessoas que procuram esta ilha, fomos atrás do sol. Vivemos uma experiencia maior do que alguma vez poderíamos imaginar.

Esta terra devolveu-me a harmonia e lavou-me a mente. A verdade é que ninguém parece falar do outro lado de São Tomé. Aprendemos a ver logo à saída do aeroporto. Fui em silêncio durante toda a viagem até ao alojamento. Meia hora que levou o seu tempo. A pobreza estanque nas casas, nas ruas, nos pés descalços. O charme da destruição. Fachadas de construções portuguesas que restam suspensas em contra luz. Teimam em chamar à atenção.

O tom de terra parece chegar ao céu. E então estranha-se. Ainda que me considere uma pessoa de coragem, tenho receio. Mas os dias passam e começo a sentir a beleza de São Tomé.

As crianças jogam à bola com fruta, brincam com uma imaginação que se tornou maior. Aqui, onde o tempo não chegou. E por momentos invejo-a, a riqueza de quem nada tem.

welcome a borges

Partimos em direção ao sul à procura das melhores praias. A estrada parece ser o ponto de encontro, uma única veia que une o norte ao sul. E em todas as curvas passamos por pessoas com maxins (não tenho a certeza se o termo está escrito corretamente), uma espécie de catana que usam para se irem alimentando. Que assusta pelo olho cego do turista.

No caminho passamos por São João dos Angolares onde fica a roça de São João. Bebemos um café e acabamos por conhecer um casal de americanos, com tanta conversa decidimos ficar para almoçar. A melhor refeição da minha vida foi ali. Feita pelo João Carlos Silva e os seus alunos. Partilhámos a mesa com quem viria a ser o nosso grupinho de aventura em São Tomé.

15 anos atrás sentava-me num almoço de domingo com o meu pai. Um hábito acompanhado sempre pelo João e os seus pratos. Ali estava eu agora a começar o que veio a ser a melhor viagem de sempre. Usando as palavras deste cozinheiro: a vida é “linda, linda, linda”.

Post anterior

Visitas nocturnas

Post seguinte

São Tomé: Memórias vindas do Sul

Sara Santos

Sara Santos

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *