ADVOGADO DO DIABODESTINOS

Vergonha na Cara

Um desabafo sobre as cinzas

No último dia de luto nacional, e enquanto várias frentes ainda são combatidas, há um desabafo que não consigo deixar de fazer. Tanta gente a precisar de algo absolutamente grátis. Irónico.

Pessoas que, sem lá estar ou fazer ideia do que se passou, dizem que os bombeiros – heróis anónimos e voluntários – demoraram isto e aquilo… tenham vergonha na cara.

Jornalistas que atropelaram descaradamente o seu próprio código deontológico, cedendo ao sensacionalismo ou sem qualquer pudor de explorar a mágoa profunda das vítimas e seus familiares… tenham vergonha na cara.

Gentinha que foi perturbar as operações, conduzindo até ao local do inferno só para testemunhar o drama… vergonha na cara.

Pessoas que não se dignaram a ceder o seu lugar na fila da estação de serviço a bombeiros famintos e exaustos… vergonha na cara.

Indivíduos que se puseram a fazer continhas de merceeiro avarento às doações de algumas figuras públicas e entidades, como se ser solidário tivesse uma tabela… vergonha na cara.

Ao fulano que disse publicamente “ainda bem que isto aconteceu em Pedrógão Grande porque assim já não se fala dos emails do Benfica”… vergonha na cara.

Para o único jornal português que no dia seguinte à tragédia nem uma referência colocou na sua primeira página (e para quem aparentemente o grande drama nacional foi a selecção ter jogado sem ponta-de-lança contra o México)…bem… vergonha na cara.

Para todos aqueles que não se dignam fazer o raio duma chamada que custa cêntimos para um dos muitos números de ajuda enquanto não estiverem isentas de IVA… vergonha na cara.

Para os subscritores da petição que acha que a melhor coisa a fazer é pôr reclusos a limpar matas… quando ainda por cima mais de 90% destes terrenos pertencem a privados… vergonha na cara.

E finalmente, para todos os que arrotam postas de pescada nas redes sociais. A coberto da distância e do anonimato. Sem levantar o rabo do sofá. Muito ciosos das suas “ideias” para o país quando nem sequer conseguem escrever sem dar erros na sua própria língua… uma cara para terem vergonha.

Luís

http://www.welcomeaborges.pt/fogo-nao-queima/

osteopatia, reprogramar, osteopatia visceral, fisioterapia
Post anterior

REPROGRAMAR - um pitstop para a vida

Post seguinte

Decoração: Como comecei a reciclar o lixo alheio

Luis Borges

Luis Borges

3 Comments

  1. 22 Junho, 2017 at 9:46 — Responder

    E uma coisa que continuadamente se vê: pessoas aflitas a fugir das suas casas … com árvores e mato a meio metro de distância das casas.

  2. zé tolas
    22 Junho, 2017 at 13:45 — Responder

    e tu Luís? fizeste alguma coisa ou também só sabes mandar barro à parede?

    • 24 Junho, 2017 at 21:15 — Responder

      Se tivesses outros interesses na vida além dum pseudónimo cretino para andar pelas redes a provocar os outros, talvez tivesses visto.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *